Crítica: Shadowhunters

sexta-feira, dezembro 30, 2016

“Para os Shadowhunters a descida ao inferno é fácil.”



SINOPSE

“Clary Fray é uma adolescente de 18 anos que, sem querer, presencia o acontecimento de um crime. Mas este não é um crime como outro qualquer: três adolescentes cobertos com tatuagens estranhas são os responsáveis pelo assassinato, executado com armas que Clary nunca viu antes. Antes de ela conseguir fazer alguma coisa, os três justiceiros se apresentam para ela: Jace, Alec e Isabelle são Caçadores de Sombras, responsáveis por proteger o mundo de vampiros, lobisomens e monstros que querem fazer o mal.”


A série é baseada nos livros de grande sucesso da consagrada escritora Cassandra Clare:  The Mortal Instruments (Os Instrumentos Mortais).

Com o fracasso da adaptação Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos, lançado em 2013, os fãs ganharam a chance de ver novamente seus amados personagens na telinha, agora assumindo um novo formato e intitulado como Shadowhunters. Com um elenco completamente diferente a série estreou no dia 12 de Janeiro de 2016, com um total de 13 episódios.

O trama tem como ponta pé inicial a história de Clary Fray (Katherine McNamara), uma jovem que levava uma vida tranquila e sossegada, mas que ao completar 18 anos vê sua vida sofrer uma reviravolta e descobrir que ela não é quem pensava ser.

Jocelyn Fray (Maxim Roym), mãe de Clary, guardou durante todo esse tempo segredos sobre a vida de sua filha, um deles é que ela descende de uma antiga linhagem de Caçadores de Sombras - junção de humanos e anjos que tem por função caçar demônios - e a existência de um mundo invisível para os seres humanos, bem como, o fato de que todos os seres míticos são reais.


Por coincidência Clary conhece Jace (Dominic Sherwood), Alec (Matthew Daddario) e Isabelle (Emeraude Toubia), Caçadores de Sombras que à ajudam entender melhor sobre esse novo mundo. A trama a partir desse ponto passa a girar em torno do sequestro de Jocelyn Fray, fazendo com que Clary aprofunde cada vez mais nesse universo em busca da recuperação das suas memórias, o que ela não esperava é que nessa jornada novos segredos sobre sua vida fossem revelados. 

Em meio a tudo isso, seu melhor amigo Simon (Alberto Rosende), um simples mundano, vê-se envolvido nesse mundo sobrenatural, apenas para ajudar Clary e ficar ao seu lado. Magnus Bane (Harry Shum Jr.), o Alto Feiticeiro do Brooklin e Luke (Isaiah Mustafa) darão suporte a equipe, que enquanto procuram o paradeiro da mãe de Clary e caçam demônios, ainda são obrigados a enfrentar Valetim (Alan Van Sprang), um antigo Shadowhunter que rebelou-se contra a Clave - instituição que governa todo mundo das sombras - e que criou seu próprio Circulo de seguidores fiéis.



Confesso que tive receio de não gostar da série logo após o contato com os primeiros episódios, todavia Shadowhunters conseguiu aos poucos me conquistar e me tornar um verdadeiro fã das aventuras da nova vida de Clary Fray e os conflitos que assolam esse mundo sobrenatural.

Nunca fui seguidor fiel dos livros da Cassandra Clare, tive uma breve experiência ao ler o primeiro livro da saga, Cidade dos Ossos, mesmo assim, tinha algumas expectativas quanto aos personagens e o rumo que a série tomaria. Como toda adaptação, sempre alguns elementos que estão contidos nos livros vão mostrar-se diferentes na série, até mesmo para oferecer uma dinamicidade maior (Lembrei de Percy Jackson e já me bateu uma tristeza), contudo, por mais que se encontrem diferenças, a essência principal não foi apagada, toda a fantasia e ação ainda estão contidos na história.

Com o passar dos episódios e o desenvolvimento da história, bem como dos personagens, tive um maior envolvimento com a série, buscava acompanhar os dramas pessoais que cada personagem enfrentava e suas consequências nessa "sociedade das sombras". 


Vale destacar aqui um ponto interessante da série: os personagens. Com certeza, são eles e seus dramas pessoais que prendem o telespectador à tela de seus aparelhos eletrônicos. Tive algumas dúvidas no início quanto a atuação de alguns atores, por vezes me perguntava se aquele papel era o certo para o mesmo, reconheço que alguns ainda não me conquistaram, como por exemplo o ator que interpreta o caçador de sombras Jace. 

Apostei em Dominic Sherwood e que sua atuação progredisse com o passar dos episódios, contudo ainda não consigo ver nele o Jace que esperava e em muitas das cenas, segundo meu prisma de visão, apresenta atuações forçadas e não convincentes, tenta algumas frases de efeito, porém não convence, sua atuação nessa primeira temporada foi fraca, sendo dessa forma, facilmente ofuscado por outros atores dentro da série. 

Deixo aqui minhas mais alegres considerações a Emeraude Toubia e Alberto Rosende . Encarregados de personagens considerados populares pelos fãs, mas que corresponderam a altura com suas atuações. O humor cômico de Simon e seu amor não correspondido por Clary, bem como o temperamento forte e sexy de Isabelle corresponderam a todas as minhas expectativas. Ambos foram sensacionais em suas atuações, sempre roubando a cena quando aparecem. 


Outros dois atores que gostaria de falar são Harry Shum Jr. e sua maravilhosa atuação como Magnus Bane e Matthew Daddario, com seu papel de Alec Lightwood. Seja no livro ou na série, Magnus é um espetáculo à parte, sempre desfrutando dos luxos e prazeres que a vida oferece, o feiticeiro cheio de trejeitos e sacadas engraçadas, somado ao carisma do ator que o interpreta, fez com que me tornasse fã de carteirinha desse personagem. Da mesma forma, Matthew interpretou muito bem Alec, falando como alguém que conhecia o personagem, digo que o ator soube dar vida e veracidade as características marcantes do caçador de sombras, me arrisco dizer que dentre todos, ele foi um dos que mais evoluiu com o desenrolar dos episódios. 

O Luke vivido por Isaiah Mustafa também merece meus elogios. Desta vez, o personagem apresenta uma personalidade mais séria e objetiva, diferente do que fora apresentado no filme. Em poucas palavras, Mustafa não decepcionou em nada com sua atuação e ainda soube introduzir muito bem o mistério que nos é apresentado logo nos primeiros episódios da série, bem como o pulso forte e autoritário que tem seu personagem. 

Por último, mas não menos importante, temos Katherine McNamara, dando vida a protagonista de Shadowhunters, Clary Fray. É com tristeza que escrevo este trecho, pois gostaria muito de ter gostado da atuação de Kat como Clary, ela é carismática e tem um semblante que nos recorda a personagem do livro, contudo sua atuação não me agradou, nem tão pouco me conquistou. Em nenhum momento ela transparece aquela personagem forte que Clary Fray deveria ser, assim como apostei no desenvolvimento de outros atores dentro da série, busquei acreditar no dela. Todavia, ainda não consigo relacionar a Clary de personalidade forte e que quando tem um objetivo não descansa até alcançá-lo, na atuação de Katherine, espero sinceramente que isso mude com a segunda temporada. 



Elogios e personagens à parte, gostaria também de destacar alguns pontos negativos e aspectos que não gostei da série, para isso, listarei os mesmos em alguns tópicos, apresentados brevemente abaixo:

a) Efeitos especiais
Os efeitos da série são terríveis. Por ter como base uma temática de fantasia, com a presença de inúmeros seres míticos, como feiticeiros e demônios, torna-se essencial a presença dos efeitos especiais, infelizmente, nesse quesito Shadowhunters deixou muito a desejar. Claro, que se deve levar em consideração o fato de ser a primeira temporada, por isso um orçamento não tão bom e também poucos investidores. Espero que com o crescente público que vem acompanhando a série, bem como o espaço que ela conquistou, garanta que possamos na segunda temporada, desfrutar de melhores efeitos. 



b) Cenas de luta
Esperava ansioso para ver as cenas que envolveriam lutas, principalmente, aquela protagonizada na boate Pandemonium,  contudo, nesse aspecto a série também falhou. Apresentaram cenas forçadas, com gestos e movimentos tão ensaiados e decorados, que acabaram por omitir toda a naturalidade da situação. Muitas vezes, a impressão que tive era que em alguns momentos eles hesitavam, como se estivessem esperando a ação do companheiro, algo tipo: "Ei cara, é a sua vez!". 



c) Diálogos
Chegamos a outro aspecto que Shadowhunters também pecou muito, os diálogos. Muitas das críticas feitas sobre a série são acerca do roteiro e seus diálogos não tão convincentes. Na grande maioria das vezes as decepções chegavam nos diálogos entre os personagens Clary e Jace (Juro que não é implicância da minha parte). Confesso que em alguns momentos as falas eram tão forçadas que não aguentava segurar o riso, principalmente quando as mesmas eram do Jace, famoso no livro por seu humor ácido e frases de efeito, contudo não funcionou na série, não mesmo, por mais que tentasse não deu certo para ele. Não podemos esquecer também que parte dessa crítica negativa em relação as falas, deve-se à atuações insatisfatórias por parte de alguns atores e atrizes do elenco. 



Em suma  Shadowhunters é uma série promissora, apesar de algumas falhas, promete progredir muito quanto ao seu desenvolvimento. Para aqueles que são fãs dos livros da Cassandra e que desejam assistir, deixo apenas a dica de que busquem deixar de lado os livros e se liguem apenas no contexto da série, uma vez que, a mesma não segue os acontecimentos na mesma ordem, bem como pode apresentar diferenças quanto ao que foi narrado. 

A segunda temporada de Shadowhunters tem data de estréia marcada para 2 de Janeiro de 2017. Estamos torcendo para que ela volte melhor e que quando eu novamente voltar a fazer uma resenha, possa deixar de lado todos os ponto negativos citados anteriormente.

De qualquer forma, gostaria de deixar claro que esta é apenas minha opinião sobre o que achei da série e que em nenhum momento tive a intenção de denegrir ou rebaixar o trabalho de ninguém. Desde já convido-os a deixarem seus comentários logo abaixo, digam se concordam com algo que disse ou então falem sobre o que acharam da série. Grande abraço e até mais!!

NOTA

Postagens Relacionadas

21 comentários

  1. Olá, também detesto cenas forçadas de luta, aliás qualquer cena forçada... quando assisto a cenas de luta que parecem verdadeiras, fico muito mais empolgada! A mesma coisa em relação aos efeitos especiais... no caso desse filme, defeitos especiais.

    ResponderExcluir
  2. fiquei curiosa para ver é muito bom adorei so tem muito efeito forçado mais fora isso deve se bom

    ResponderExcluir
  3. Não conheço a série estou um pouco por fora das séries, mas eu particularmente não gosto de séries ou filmes que tenham lutas não faz muito o meu gênero. Os efeitos especiais são essenciais para esse tipo de série já que os efeitos foram horríveis o que esperar da série. Mas gostei de saber da sua opinião sobre a série, abraços.

    ResponderExcluir
  4. Você gostou da série então apesar das ressalvas, uma coisa que chamou atenção foi você não ter gostados das cenas de luta e nem dos efeitos especiais, por ser uma parceria com a Netflix deveria ser melhor, já que eles arrasam loucamente com as séries Marvel.
    Vi muita gente que diz que a série é melhor do que o filme. Assisti o filme, mas não curti muito o gênero. A série nunca pensei em assistir.
    Beijinhos,Helana ♥♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
  5. É muito triste quando a atriz não consegue nos conquistar e transparecer toda a força que uma personagem tão boa tem né? Decepcionante 😕 apesar disso, fiquei curiosa com a série. Eu não conhecia essa história, nem mesmo antes dela retornar com este nome - então fiquei bem MEU DEUS! Parece ser bem bacana essa premissa de caçadores de sombras. E apesar dos diálogos serem destacados como ponto negativo da série, o que mais me entristece são os efeitos especiais 😞 Se tem algo que amo em filmes e séries de fantasia são os efeitos, aqueles que nos conseguem pensar "meu deus, isso é tão bom! só pode ser real" rs. Adorei sua resenha super sincera e fiquei curiosa mais para conhecer a história e ver os problemas todos citados e ver se concordo ou não hehehe. Vou procurar! Beijão

    ResponderExcluir
  6. Eu gostei da série e nem reparo muito nessas coisas de efeitos especiais só quando são MUITO ruins e eu não vi nada de errado. A historia é legal, fiquei com preguiça de ler os livros pq acabei vendo o filme que é horrível e conta a historia dos 3 primeiros livros em 1 só filme (minha irmã que me falou pq ela leu)

    beijos

    ResponderExcluir
  7. Nunca tinha ouvido falar desta série. Entrei pro mundo das séries faz pouco tempo e antes via uma série ou outra em casa com a minha vó que já faleceu. Este tipo de série até me interessaria mas se os efeitos especiais e as cenas deixam a desejar não sei se conseguiria dar continuidade ao episódio. Sou daquelas que começa a ver o primeiro episódio e se tem já algo de errado já desisto logo de cara. Mas qualquer dia vou procurar pra ver.. quem sabe assistindo eu mude de opinião né

    ResponderExcluir
  8. Sinceramente, difícil um livro, hq ou anime que seja adaptado a filme ou série que fique bom. Nem vou assistir Death Note pela Netflix, é meu anime favorito mas pelo que eu vi no trailer da série adaptada, vai ser outra desgraça.

    ResponderExcluir
  9. Ed, a primeira vez que tive contato com os livros da série foi durante uma bienal e fiquei curioso diante de tantos fãs e burburinhos a respeito. Comecei a ler o primeiro volume em ebook, mas acabei desistindo pq os livros físicos acabaram chamando mais minha atenção no momento. O filme tenho no pc pra assistir, mas sempre fico esperando terminar a leitura. Eu já tinha lido sobre a série e achei muito válida sua análise, afinal esses pontos negativos que vc citou fazem toda a diferença no resultado final. Vou tentar conferir e vamos torcer pra que melhore em uma segunda temporada.

    *☆* Atraentemente *☆*

    ResponderExcluir
  10. Shadowhunters, foi comido vivo pelos críticos...Mas,os efeitos especiais de Magnus,Ele é um antigo bruxo o suficiente para ganhar sua própria série separada, então sim,alguns críticos acharam que ele merece ficar em cartaz. Especialmente o tipo que destaca seus olhos de gato e mãos mágicas, mas eu senti muito medo dele rsrs... Os olhos dele produziam aquela luz assustadora.

    ResponderExcluir
  11. Devo admitir que tinha um certo receio, mas agora fiquei bem curiosa e disposta a assisti , obrigado viu se não fosse você nunca pensaria em assistir

    ResponderExcluir
  12. Ed, faço de suas palavras as minhas viu. Se eu te contar que consegui gostar mais do filme do que da série, cê não me mata? Nunca fui leitora voraz da saga, inclusive já peguei muita briga no twitter porque vem um punhado de gente falar que Shadowhunters é melhor que Supernatural (acredite, me falaram isso) mas o fato é que Supernatural e Shadowhunters são literalmente diferentes né, haha. Tenho um amigo que ama de paixão o universo de Os Instrumentos Mortais, assiste a série porque ele me pediu com carinho — me obrigou a ver — e indico para ver enquanto as nossas séries de paixão estão em hiatus. Adoreeeei tua sinceridade na crítica, você ressaltou os pontos bons e ruins sem denegrir a imagem da série e tampouco dar spoilers, simplesmente perfeito. E se a segunda season for melhorzinha eu continuo acompanhando, hehe. Beijão.

    ResponderExcluir
  13. Oi Ed, tudo bem?

    Então, ouço todo mundo falando muito bem da escrita da Cassandra Clare que comprei o primeiro livro de "Os Instrumentos Mortais" para ler. Estava pensando em ler os livros primeiro, para só depois entrar no universo da série. Ao ler a sua crítica, confesso que fiquei bem decepcionada. O contexto da série/livro é muito promissor e para mim, iriam conseguir fazer na série o que falharam no filme. Uma pena que a personagem principal não funcione na atriz escolhida. Pelos traillers que asisti já era meio nítido que os efeitos não iriam convencer e parece que isto foi confirmado mais uma vez. Só consegui ver realmente as falhas e agora acho que vou passar longe da série, irei me arriscar apenas nos livros. Mesmo assim, gostei muito da sua crítica por ser bem realista!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Oi, gostei muito de saber dessa nova adaptação do livro dos instrumentos mortais, eu tenho os dois primeiros livros e adoro. Quero muito assistir, pois só de ler e ver as imagens, parece estar muito bom, gosto quando um livro vira filme ou serie.

    http://fabiisanto.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Não me recordo de ter visto essa série, embora o resumo me seja familiar. Talvez tivesse visto alguma parte da mesma só por alto, quando passava na sala e a tv ligada, ou talvez não, não sei... Como tal, não posso dar o meu parecer sobre a mesma, mas deve ser interessante para quem gosta do género. Vou pesquisar pelo livro e conhecer um pouco da autora. ;)

    ResponderExcluir
  16. Eu amei Os instrumentos mortais, mas não sabia q o filme havia sido um fracasso e nem que era uma adaptação. Vou procurar a série para assistir e espero q seja tão boa quanto o filme.

    ResponderExcluir
  17. Os instrumentos mortais é a minha saga favorita, e eu fiquei muito ansioso para o lançamento da série. Na primeira temporada eu assisti tudo com os olhinhos brilhando de felicidade, mas confesso que não curti muito a segunda. Para falar a verdade eu desisti da série, nem terminei.
    Mas adorei sua resenha, concordo com muita coisa que tu disse.

    Abraços
    http://www.mundoinvertido.com/

    ResponderExcluir
  18. Não conhecia esta série, mas sua explanação foi bem completa. Fimes e séries com muitas cenas de luta não são os meu preferidos, talvez este seja o motivo por não ter ouvido falar ou me interessado em ler alguma resenha anteriormente .

    ResponderExcluir
  19. Olá. Já conheço essa série. Gostei da sua resenha, você escreve muito bem. A série é boa mas, eu prefiro as mais tranquilas.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  20. CASSANDRA CLARE <3
    ALEC <3
    3 estrelas? Deveria ser no mínimo 5!!
    De fato o filme não é bom, mas a série, apesar da adaptação não agradar tanta gente em relação ao livros, é melhor do que a adaptação cinematográfica. Eu sou apaixonado pelos personagens, principalmente o Alec (FICA ME SEDUZINDO).
    Quando eu fui pro CCXP, consegui um pôster MARAVILHOSO da série no stand da Netflix, infelizmente nenhum ator da série estava presente... Enfim, super recomendo a série, acredito que quem não leu os livros, após assistir a série vai querer lê-los! ;)

    ResponderExcluir